JURA EM PROSA E VERSO

TUDO SOBRE...

TUDO SOBRE... SONAMBULISMO

O que é o sonambulismo?

"O sonambulismo é um despertar incompleto", explica o doutor Dênis Martinez. "Neste distúrbio, uma parte do cérebro acorda sem que a pessoa recobre a consciência, o que faz com que ela aja sem inteligência, mas com todas as reações, como fugur ou atacar". Dentre os distúrbios do sono, sem dúvida, o sonambulismo é o que gera mais lendas, piadas e curiosidade, mas não é tão inofensivo quando parece.

O doutor Dênis explica que, em geral, o pico de incidência do sonambulismo se dá entre os quatro e os oito anos de idade, tendendo a desaparecer na puberdade. Mas, ainda que não seja um distúrbio perigoso como a apnéia, é preciso tomar cuidados com possíveis acidentes como quedas de janelas e de escadas, ou acidentes com objetos de vidro ou pontiagudos.

"Existem também conseqüências psicológicas para o sonâmbulo. A criança se torna insegura, tem medo de dormir na casa dos amigos. Mesmo não tendo controle sobre seus atos, o sonâmbulo é criticado, humilhado e até punido pelos pais. O fato de ele estar acordado, mas tendo reações irracionais, preocupa a família que passa a tratá-lo como diferente". Por isso, é importante encarar o sonambulismo sem preconceitos ou superstições, mas com toda a seriedade.

Como entender o sonambulismo

--------------------------------------------------------------------------------

Equipe Sabido

O sonambulismo, quadro em que a pessoa caminha dormindo, atinge aproximadamente 30% das crianças na faixa dos 5 a 12 anos de idade. Não se trata de uma doença, mas sim uma ocorrência benigna e normal, que na grande maioria dos casos é superada na adolescência.

Passo a passo:

1. As "rondas noturnas" costumam acontecer após pelo menos 2 horas de sono. Os episódios geralmente duram de 5 minutos (normal) até aproximadamente 1 hora, em uma frequência que varia de pessoa para pessoa (aproximadamente 3 vezes por mês).

2. Durante os episódios, o sonâmbulo passeia pelos ambientes da casa, desviando da maior parte dos objetos (apesar de estar em sono profundo, caminha com olhos abertos ou semi-fechados); em alguns casos a pessoa realiza algumas atividades como apagar e acender a luz, abrir e fechar portas, trocar de roupa, falar, etc. Ao ver os familiares durante a "caminhada", o sonâmbulo não os reconhece. Ao acordar, a pessoa não se lembra do ocorrido.

3. O melhor que os pais ou familiares do sonâmbulo podem fazer durante os ataques, é encaminhá-lo calmamente até a cama, para que continue seu sono. Não existem problemas em tentar acordar a criança; muitas pessoas dizem que os sonâmbulos podem reagir violentamente à tentativas de acordá-los, o que é muito raro, principalmente em se tratando de crianças. Porém, como já foi dito, o procedimento mais correto é conduzir a pessoa à cama.

4. Normalmente o sonambulismo não exige tratamento, já que costuma desaparecer quando se inicia a fase da adolescência. Explique o quadro para a criança, deixando bem claro que não se trata de nenhuma doença ou problema, mas apenas uma ocorrência passageira.

5. Não é sempre quer os pais percebem os "passeios" da criança e, portanto, não poderão acompanhá-la todas as vezes. Existem alguns cuidados a serem tomados que podem garantir a segurança do sonâmbulo:

5.1 Evitar o uso de beliches e camas altas.

5.2 Trancar portas que possam levar a criança para fora de casa.

5.3 Fechar a passagem para escadas.

5.4 Esconder objetos pontiagudos ou que possam machucar a criança.

Sonambulismo pode ser 'genético', dizem cientistas

Distúrbios do sono são estudados por cientistas

Adultos que sofrem de sonambulismo poderão saber se o problema tem suas origens na composição genética de cada um.

A sugestão é de um grupo de cientistas do Hospital Universitário de Berna, na Suíça, que estudou pacientes que andam durante o sono, por um período de 30 anos.

Segundo os cientistas, o sonambulismo entre adultos está relacionado a problemas em uma fase do sono conhecida como Movimento Rápido do Olho (REM, em inglês).

O sonambulismo pode levar a situações perigosas - um estudo americano indicou que 32% dos sonâmbulos sofrem com incidentes violentos e 19% já se feriram enquanto andavam dormindo.

Genes

A chave para o problema estaria na região de um dos cromossomos humanos conhecida como sistema HLA.

O sistema contém mais de 100 genes que se dedicam basicamente ao controle da produção de proteínas relacionadas com o sistema imunológico.

Os pesquisadores descobriram um tipo específico dos genes que, segundo a teoria da equipe, poderia deixar as pessoas mais suscetíveis ao sonambulismo.

Eles encontraram este tipo em 50% dos pacientes examinados, mas em apenas 24% das pessoas sem sonambulismo também testadas.

REM

Segundo o dr. Claudio Bassetti, da Universidade da Suíça, em Zurique, a fase REM do sono geralmente é acompanhada por uma paralisia fisiológica, que impede que as pessoas "ajam" durante o sonho.

"Em pessoas com problemas nessa fase do sono, a paralisia não ocorre", disse o médico.

No estudo realizado na Suíça, 25% dos pacientes testados indicaram um aumento da atividade muscular durante essa fase do sono.

Do grupo examinado, 58% já sofriam com sonambulismo desde a infância, enquanto 24% deles também tinham parentes com o mesmo problema.

Falando à BBC, o diretor de um centro de pesquisa sobre o sono em Londres, professor Chris Idzikowski, disse que o sonambulismo é bastante difícil de tratar.

Mas ele afirmou que a aparente descoberta de uma origem genética para o problema pode ajudar os médicos a diagnosticar os casos de sonambulismo.