JURA EM PROSA E VERSO

RELIGIÕES, IRMANDADES E SISTEMAS FILOSÓFICOS OU POLÍTICOS

JUDAÍSMO

(LEIA TAMBÉM, NESTE DIRETÓRIO "RELIGIÕES E SISTEMAS FILOSÓFICOS", A PÁGINA INTITULADA " HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO JUDAICA")

O Judaísmo 

Todos os assuntos do Judaísmo estão abertos à opinião pessoal: é o modo dos judeus. A área do misticismo, no Judaísmo, também é aberta à discussão e interpretação pessoal.

A Torá (Pentateuco) descreve muitas experiências místicas- visitação por anjos, profecias, sonhos, visões. 

0 Talmud (comentários sobre a Torá) estuda a existência da alma e da encarnação. 0 Talmud faz referências vagas a uma escola secreta de misticismo, para estudantes avançados, cujos ensinamentos não podem ser escritos.

A escola mística judaica é chamada Cabalá (significa Recebimento). Não tem a conotação sinistra e maligna que se dá à palavra. Os ensinamentos da Cabalá têm sido gravemente distorcidos por místicos não judeus e ocultistas. Durante a Renascença, os intelectuais cristãos a reinterpretaram para caber em seus dogmas. Os modernos usam o simbolismo cabalístico fora de contexto, para usar com tarô e diversas formas de adivinhação mágica, que nada têm a ver com a Cabalá.

Hoje em dia, as pessoas têm uma visão distorcida do Judaísmo e da Cabalá. É preciso ter conhecimento do que é o Judaísmo e como o conhecimento é elaborado e transmitido dentro do Judaísmo, para se poder falar de Cabalá. Ela tem conexão íntima e profunda com a Torá e o Talmud, se refere a aspectos da vida religiosa judaica, e deles não pode ser desligada.

OUTRO TEXTO SOBRE JUDAISMO

Judaísmo

O Judaísmo é uma crença monoteísta que se apóia em três pilares: na Torá, nas Boas Ações e na Adoração. Por ser uma religião que supervaloriza a moralidade, grande parte de seus preceitos baseia-se na recomendação de costumes e comportamentos "retos".

O Deus apresentado pelo Judaísmo é uma entidade viva, vibrante, transcendente, onipotente e justa. Entre os homens, por sua vez, existem laços fraternos, e o dever do ser humano consiste em "praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar humildemente nas sendas divinas".

A prática da religião está presente no dia-a-dia do judeu. Ela se estende até sua alimentação, que deve ser kosher, ou seja, livre de comidas impuras (certas carnes, como a suína, entre outras substâncias, não são permitidas). Outro hábito arraigado é a observação do Shabat, o dia do descanso, que se estende do pôr-do-sol da sexta-feira até o pôr-do-sol do sábado, e que é celebrado com rezas, leituras e liturgias na Sinagoga, o templo judaico.

Em essência, o Judaísmo ensina que a vida é uma dádiva de Deus e, por isso, devemos nos esforçar para fazer dela o melhor possível, usando todos os talentos que o Criador nos concedeu.

As escrituras sagradas, as leis, as profecias e as tradições judaicas remontam a aproximadamente 3 500 anos de vida espiritual. A Torá, que também é conhecida como Pentateuco, corresponde aos cinco primeiros livros do Antigo Testamento bíblico (os outros dois são Salmos e Profecias). O Talmud é uma coleção de leis que inclui o Mishná, compilação em hebraico das leis orais, e o Gemará, comentários dessas leis, feitos pelos rabinos, em aramaico.

Subdivisões do Judaísmo

Judaísmo Conservador

Esta corrente defende a idéia de que o Judaísmo resulta do desenvolvimento da cultura de um povo que podia assimilar as influências de outras civilizações, sem, no entanto, perder suas características próprias. Assim, o Judaísmo Conservador não admite modificações profundas na essência de suas liturgias e crenças, mas permite a adaptação de alguns hábitos, conforme a necessidade do fiel.

Judaísmo Ortodoxo

Corrente que se caracteriza pela observação rigorosa dos costumes e rituais em sua forma mais tradicional, segundo as regras estabelecidas pelas leis escritas e na forma oral. É a mais radical das vertentes judaicas.

Judaísmo Reformista

O Movimento Reformista defende a introdução de novos conceitos e idéias nas práticas judaicas, com o objetivo de adaptá-las ao momento atual. Para esta corrente, a missão do judeu é espiritualizar o gênero humano - a partir deste ponto de vista, torna-se obsoleto qualquer preceito que vise separar o judeu de seu próximo, independentemente de crença ou nação.