JURA EM PROSA E VERSO

RELIGIÕES, IRMANDADES E SISTEMAS FILOSÓFICOS OU POLÍTICOS

Espiritismo

De 1800 até 1880, a Europa rica e burguesa, especialmente a francesa, foi sacudida pela presença de estranhos fenômenos: mesas falantes, escrita mediúnica, clarividência, telepatia, aportes.

No meio de charlatães e falsários, um seleto grupo de homens se dedicou a estudar profundamente os fenômenos, até então considerados joguinhos de salão.

Basicamente, eram reuniões de várias pessoas que se encontravam na presença de um indivíduo dotado de aptidões mediúnicas e que eventualmente liderava os trabalhos. Essa pessoa era quem dava início aos fenômenos, e nõa raro era ela quem servia de meio de comunicação com os mortos.

As primeiras mensagens vieram na forma de pancadas nas mesas ou paredes das salas. E foi na base da pancada que a comunicação se estabeleceu. Foi pelo estudo dessas mesas falantes que o francês Rivail - mais tarde assumindo o nome de Allan Kardec - lançou bases para a religião conhecida como Espiritismo. Auxiliado pela entidade chamada "Verdade", ele pesquisou arduamente os fenômenos, classificando-os cuidadosamente.

Apesar do forte lado religioso, em que prevalece a filosofia de que "fora da caridade não há salvação", os espíritas, inspirados em seu mestre francês, começaram pesquisas mais sérias sobre os mortos e suas formas de comunicação com os vivos.

A mesa ou tábua ouija foi muito utilizada durante algum tempo, e ainda hoje em algumas ocasiões. a brincadeira do copo, conhecida aqui no Brasil,é uma variação da tábua ouija.

É desaconselhável sua utilização como forma de passatempo, fazendo perguntas fúteis e egoístas, visto que os estudiosos afirmas ser perigoso contatar os espíritos sem um certo preparo.

O estudo das atitudes dos mortos ficou diretamente ligado ao estado de evolução particular destes. Eles podem ter características muito semelhantes as dos vivos, no sentido de que alguns podem nos ajudar, e outros nos atrapalhar.

Allan Kardec publicou uma série de livros , entre os quais "O Livro dos Espiritos", "O Livro dos Médiuns" e "O Evangelho Segundo o Espiritismo".

Suas obras formaram a base dos espiritismo, doutrina baseada na crença de um Deus Único, no amor e ajuda ao próximo.

Os que seguem essa doutrina, entendem que além de religião e filosofia, ela se trata também de uma ciência, sem qualquer diferenciação entre as verdades científicas e religiosas por eles professadas. Poderia me estander mais no assunto (bem mais), mas se tem algo que conhecemos bem aqui no Brasil é o Espiritismo.

Talvez tanto quanto o Catolicismo.

Sempre tem um centro espírita pertinho da casa de cada um né?

Então, a idéia não foi nem estudar a fundo a religião, e sim, dar uma breve explanação sobre sua origem.

Outro texto sobre espiritismo

Espiritismo

O Espiritismo se baseia na crença de que as almas desencarnadas podem manter contato com o mundo dos vivos, transmitindo ensinamentos úteis ao aprimoramento moral e espiritual da humanidade. Para se comunicar com os vivos, os espíritos desencarnados utilizam-se do médium, que "empresta" seu corpo ou sua voz para esta finalidade.

Na verdade, as tentativas de se estabelecer contato com os mortos remontam aos primórdios da civilização humana, mas foi somente na segunda metade do século 19 que o Espiritismo se estruturou como uma doutrina.

O grande responsável pela codificação dessa crença foi Allan Kardec, autor de Livre des Esprits (O Livro dos Espíritos), lançado em 1853. O nome verdadeiro de Kardec era Léon Hippolyte Denizard Rivail (1804-1869). Juntamente com outros estudiosos do tema, dentre os quais se destacaram os teóricos Camille Flammarion, Frederick Myers, Andrew Jackson Davies e Charles Richet, ele elaborou os princípios fundamentais do Espiritismo, que são:

1. A existência de Deus

Deus é a inteligência cósmica, criadora do Universo e responsável pelo seu equilíbrio.

2. A existência da Alma

A alma é imortal e está envolvida por um corpo espiritual, denominado perispírito. Após a morte, o perispírito conserva as lembranças das experiências terrenas.

3. A existência da Reencarnação

A Reencarnação é o processo pelo qual o espírito evolui moral e intelectualmente. Em vidas sucessivas, ocupando diferentes corpos materiais, ele se aprimora e se redime de seus erros.

4. Metempsicose [do grego: meta= mudança + en= em + psukê= alma]

I. Transmigração da alma de um corpo para outro.

II. Doutrina filosófica de origem indiana, transportada para o Egito, de onde mais tarde Pitágoras a importou para a Grécia. Os discípulos desse filósofo ensinavam ser possível uma mesma alma, depois de uma período mais ou menos longo no império dos mortos, voltar a animar outros corpos de homens ou de animais, até que transcorra o tempo de sua purificação e possa retornar à fonte da vida. Como se constata, há uma diferença capital entre a metempsicose e a doutrina da reencarnação: em primeiro lugar, a metempsicose admite a transmigração da alma para o corpo de animais, o que seria uma degradação; em segundo lugar, esta transmigração não se opera senão na Terra. Os Espíritos lecionam o contrário, que a reencarnação é um progresso constante, que o homem é um ser cuja alma nada tem de comum com a dos animais, que as diferentes existências podem realizar-se, quer na Terra, quer, por uma lei progressiva, em mundos de ordem superior, até que se torne Espírito purificado.

5. A existência da Lei do Carma

É a lei da ação e da reação - ou seja, a cada ação corresponde uma reação. Assim, nossas atitudes presentes vão determinar os rumos futuros do nosso espírito, de modo que nós somos os responsáveis pelo nosso destino.

O ciclo evolutivo espírita preconiza que, ao atingir um determinado grau de aperfeiçoamento, o espírito não precisará mais reencarnar, podendo então gozar as delícias da vida eterna. A prática da caridade é muito incentivada pelos espíritas, pois eles acreditam que, por meio dela, semeamos carmas positivos e nos aproximamos da perfeição.

A primeira sessão espírita no Brasil aconteceu em 17 de setembro de 1865, em Salvador, capital da Bahia.

Os espíritos estão divididos em três grandes categorias, que por sua vez se subdividem em dez classes, a saber:

1. Espíritos Imperfeitos Essa categoria inclui os "espíritos impuros", os "espíritos levianos", os "espíritos pseudo-sábios" (que semeiam enganos), os "espíritos neutros" e os "espíritos perturbadores" (também chamados de "brincalhões").

2. Espíritos Bons Aqui estão incluídos os "espíritos benévolos", os "espíritos sábios", os "espíritos de sabedoria" e os "espíritos superiores".

3. Espíritos Puros Pertencem a uma categoria única. Desta classe, fazem parte os grandes mestres da Humanidade.

Conheça algumas expressões-chaves da Doutrina Espírita:

Ectoplasma: Substância de origem psíquica que emana do corpo do médium. Pode ser visível para quem tem o dom da vidência. É por meio dessa substância que os espíritos operam no mundo material.

Guias: No Espiritismo, existem os "guias" ou "espíritos de luz", que estão num estágio de aperfeiçoamento bastante avançado. Eles nos trazem conselhos e orientações de ordem material. Pertencem à classe dos "espíritos bons". Incorporação: Faculdade mediúnica em que o espírito desencarnado ocupa momentaneamente o corpo do médium, valendo-se desse recurso para desempenhar seu trabalho no mundo dos vivos.

Materialização: Corporificação, total ou parcial, do espírito desencarnado. Ocorre quando o ectoplasma se condensa. É o que acontece, por exemplo, quando o espírito de alguém que já faleceu torna-se momentaneamente visível.

Mediunidade: Faculdade latente em todos os indivíduos, que permite a uma pessoa servir de canal de comunicação ou manifestação para os espíritos desencarnados. A mediunidade se divide em duas principais categorias: a mediunidade física, da qual fazem parte a capacidade de materialização e a incorporação de espíritos de médicos, dentre outras manifestações; e a mediunidade intelectual, que inclui a Psicografia, por exemplo.

Psicografia: Faculdade manifestada por alguns médiuns, que escrevem mensagens enviadas pelos espíritos desencarnados. Durante o processo, o médium não tem consciência do que está escrevendo - em geral, ele permanece com os olhos fechados -, e as mensagens recebidas costumam apresentar teor elucidativo. É um dos trabalhos mais procurados nos centros espíritas, por pessoas que perderam entes queridos e que desejam saber como eles estão vivendo no outro plano. Também existem muitas obras psicografadas na literatura espírita, que foram "ditadas" pelos espíritos de luz.

Leia Também "O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec"