JURA EM PROSA E VERSO

RECEITAS DE DAR ÁGUA NA BOCA

DICAS SOBRE QUEIJOS E VINHOS

QUEIJOS E VINHOS

Ainda que nosso inverno não seja rigoroso, é comum nessa época do ano reunir os amigos para saborear queijos e vinhos. Apesar de ser esse um hábito antigo, a mistura não é tão simples quanto parece.

O vinho errado pode matar o sabor do queijo; o contrário também é verdadeiro.

Veja algumas sugestões de harmonização:

Queijos Frescos:

Muito apreciados pelo paladar nacional, os queijos frescos são ideais para iniciar uma reunião e pedem vinhos brancos frescos, secos, com boa acidez e aromáticos como o Gewürztraminer, Riesling, Moscatel e Malvasia.

Vale abrir também uma garrafa de um rosé.

A maioria dos queijos cremosos de leite de cabra também casam perfeitamente com esses vinhos.

Queijos Macios:

Tanto o brie quanto o camembert combinam com vinhos brancos estruturados como um Chardonnay que tenha permanecido em barrica de madeira por algum tempo.

Um Sancerre é outra alternativa de primeira.

Tintos leves, pouco tânicos, como os do Vale do Ródano, os conhecidos Côtes du Rhône, ou um cru Beaujolais, são outros exemplos de boa companhia.

Na Normandia, região de origem do camembert, acompanha-se esse queijo com goles de calvados, destilado feito de maçã, assim como a sidra, o fermentado da mesma fruta.

Um camembert maduro e de boa procedência não fará feio se for saboreado com um champanhe.

Queijos Azuis:

O sabor complexo e picante do roquefort combina com um Sauternes, vinho francês de sobremesa de alta concentração de açúcar.

Com um Tokai húngaro, o resultado também será agradável.

No caso do italiano gorgonzola, a combinação clássica é um tinto leve como um Valpolicella nobre, um Barbera ou Bardolino. Arrisque também com um Passito di Pantelleria, o vinho licoroso da Sicília.

Outra possibilidade é abrir um Moscatel português.

Queijos Semiduros:

Queijos como o emmenthal, o gruyère e o queijo-de-minas curado e semicurado ficam bem com tintos leves, no máximo de médio corpo, como um Côtes du Rhône, um Pinot Noir ou um Beaujolais (feito com a uva Gamay, já tem versões brasileiras), todos poucos tânicos.

Também vão bem com alguns italianos mais leves como o Barbera e o Dolcetto.

Podem ser bons parceiros brancos secos como os Chardonnays estruturados que permaneceram em barricas de carvalho.

Os holandeses gouda e edam êm sabor mais pronunciado e pedem vinhos potentes, como os da uva Shiraz - não a casta original francesa Syrah, mas sua variação espalhada pelo Novo Mundo (Austrália, África do Sul, Argentina).

Também formam ótima parceria com um Rioja Reserva, um Cabernet Sauvignon proveniente do Chile ou mesmo um Tannat uruguaio.

O provolone pode ser associado com um Chianti Clássico, tinto da Toscana, ou um outro tinto de médio corpo.

A mussarela funciona bem com um tinto leve ou de médio corpo.

Queijos Duros:

Em geral, esses queijos são reservados para a seqüência final, uma vez que com sabor demasiadamente marcante, acabam ofuscando os demais.

As virtudes de um parmiggiano reggiano ou de um grana padano são ressaltadas com tintos potentes como um Cabernet Sauvignon Reserva chileno, um Amarone della Valpolicella ou um Zinfandel californiano encorpado.

O pecorino vai bem com vinhos de médio corpo, vale provar com um Malbec argentino, por exemplo.

O Malbec traz uma doçura que produz um interessante contraste com esse queijo.

Uma opção interessante é contrariar a regra clássica de aproximar queijos duros e salgados de vinhos encorpados.

Experimente prová-los com vinhos generosos como um Porto ou Madeira.

A mesma sugestão se aplica ao provolone, a bebida licorosa rompe com o gosto de defumado desse queijo.

.