JURA EM PROSA E VERSO

POESIAS E TROVAS POPULARES

VERSOS AO COVEIRO(Atahualpa Vianna )

No lúgubre silêncio do vasto cemitério,

acha-se conhecida e singular figura:

Calado, indiferente, irreverente, sério,

impassível artífice de marcial postura.

 

No drama final da vida, fatal mistério,

não vê nos outros lágrimas de amargura,

parece insensível máquina de necrotério,

e o gemido alheio pouco se lhe afigura.

 

Preparada a tumba para o funéreo ritual,

frio, ausente, num gesto quase maquinal,

sepulta quem para ele nunca foi alguém.

 

Ó operário da morte, a cruel fatalidade !

Ó obreiro involuntário da fria realidade !

Dia virá que outro te sepultará também...

(Publicada no Jura em Prosa e Verso em 05 Jul 06)