JURA EM PROSA E VERSO

CRENDICES, SIMPATIAS, SUPERSTIÇÕES

Superstições

SUPERSTIÇÕES

(De 1853 -Autor desconhecido)

Eu desvio de gato preto

Eu não passo em baixo de escada

Não levanto com o pé esquerdo

Não abro guarda-chuva dentro de casa

Tenho um trevo de quatro folhas

E uma figa no pescoço

Eu vou comprar pé de coelho

Para ver se saio desse poço

Todo mundo tem um pouco de superstição

Quer você queira, ou não!

Não consigo deixar de lado a encanação

Será que devo acreditar em tanta superstição ?

Eu sempre como o último pedaço

Pois não pretendo me casar

Mas nunca dou o primeiro gole

Pois seus segredos não quero roubar

E eu deixei aquele espelho

Espatifar-se pelo chão

Maré de sorte que é boa

Não vem faz um tempão

Todo mundo tem um pouco de superstição

Quer vo-cê queira, ou não!

Não consigo deixar de lado a encanação

Será que devo acreditar em tanta supers-tição ?

E tem a sexta-feira 13

Do mês de Agosto

A noite de lua cheia

Todas as bruxas estão a solta

Todo mundo tem um pouco de superstição

Quer você queira, ou não!

Não consigo deixar de lado a encanação

Será que devo acreditar em tanta superstição ?

Tem gente que não anda em carro pre-to!

Tem gente que não deixa bolsa no chão!

Tem gente que não larga sapato virado!

Tem gente que não dorme, não dorme,não dorme...

Se não fechar a porta do armário!