JURA EM PROSA E VERSO

POESIAS E TROVAS POPULARES

Ó VULVA INQUIETA!

Só curvo diante de ti respeitosamente

Ó vulva inquieta, feito navio em alto mar,

Quando em ti vomitar abundantemente

O enjôo que tu sabes me provocar!

 

Pois sou como um jovem marinheiro

Na sua primeira viagem em alto mar;

Que ao sentir o balanço do navio

Já presente de imediato o mal-estar;

 

Não é o mal-estar que me fazes assim

Agir como se isso provasse algo ruim;

Mas o prazer de ir para lá e para cá

 

Neste deleitoso balanço sem fim.

É o prazer que em breve acabará

E o sêmen em tua cálida vulva ficará.