JURA EM PROSA E VERSO

POESIAS E TROVAS POPULARES

FADO E LENDA

Por Armando Souza
 

Severa nasceu da vida para cantar
Nasceu o fado na voz e coração
Encanto de serpente com seu olhar
Induzindo os homens há paixão
Fogo, a guitarra a dedilhar


 

Conta a lenda; sua mãe era barbuda
Houve chispes no corpo do cigano
Na mouraria a taberna para a ajudar
Vinho e homens na vida seu plano
Severa deusa; a guitarra e o trinar


 

Homens faziam linha para ouvir a rainha
A voz e o incêndio de seu olhar
Lisboa e guitarra; comparação não tinha
Paixão do fado e guitarra a timbrar
Criança, amor cantando; vida minha


 

Hoje a lenda corre mundo e gerações
Severa foi a grade da mouraria
Estendendo-se a Graça seus pregoes
A vida da noite dava alegria
Quebrando os mais nobre corações


 

Rua do Capelão, Madragoa e Mouraria
Viu tanta paixão, ouviu Severa cantar
Lisboa, na taberna vivia a alegria
O amor abraçava e ouvia Severa ao luar
Amor guitarra e fado na mouraria


Severa morreu, rainha da voz e do fado
A lenda viveu, o fado também
Alfama e Madragoa, o fado da vida
Fado e tristeza Portugal o tem
Morreu Severa, 26 anos, sem viver a vida

Por Armando Sousa

Toronto - Ontário///Canadá 29/1/2011