JURA EM PROSA E VERSO

AMOR, AMOR, AMOR, AMOR

Amor (Carlos)

Beijos quentes, instigaram-nos à eclosão;

Há muito, sonhara com os fluxos maleáveis,

No reflexo espelhado... Que Linda visão!

Nus, deliciamos todos os espaços palpáveis.

 

Problemas?... Nada abalava nossa lição!...

Feliz troca!... O mundo girava inabalável,

E com rumos e reféns intermináveis,

Exauríamos a reiterada sucessão!...

 

Mergulhado no clima, adorei-te, Vênus!

Ah! Estas curvas, sustentadas pelo fêmur!

Gesto de carinho. Beijei-te. Jeito típico...

 

Toquei tua fonte, com efeito lépido;

Sugamos as energias de forma técnica,

Aguardei a hora recíproca, como líbero!...

Carlos