JURA EM PROSA E VERSO

AMOR, AMOR, AMOR, AMOR

Amar, Amar, Amar...  (Carlos)

 

Quarto colonial reservado anexo;

Loucuras!... Êxtase!... “Strip-tease” conexo,

Contemplei teu lindo corpo convexo;

Disse palavras dóceis e sem nexo.

 

Maravilha!... Silhueta de bronze!...Perplexo!...

Arrepios malucos em todo meu plexo;

Absorvi deleites num só reflexo,

Ah! Perfume fêmeo em todo circunflexo!

 

Tempo interminável!... Fim de todo complexo,

Senti teu corpo, só meu, num belo amplexo,

Vi por instantes o mundo desconexo.

 

Naquela eternidade em decúbito flexo

Perdi todo o sentido... Todo o reflexo!

Beijei com alegria indescritível teu sexo!...