JURA EM PROSA E VERSO

PAIS E FILHOS - RELACIONAMENTO

Trabalhar fora: ausência afeta mais a mãe do que o filho

Ter filhos pequenos e trabalhar fora: um drama para os filhos ou para as próprias mães? Se a sua resposta foi "para os filhos" saiba que essa concepção pode estar, na maioria das vezes, errada. A psicóloga Rosely Sayão disse que esta ausência é hoje mais forte para as mães que para os próprios filhos.

"Nós [mães] é que não suportamos muito essa ausência deles porque todo o nosso amor está dirigido aos filhos. Eles querem mais, às vezes, é se verem um pouco longe, mas reagem a essa nossa dor insuportável da separação. Você dá o celular e diz "ligue a hora que você quiser", então eles ligam de cinco em cinco minutos mesmo... Eles respondem mais à nossa demanda do que a uma necessidade deles. A presença dos pais em casa é que é importante, mas não precisa ficar grudada", disse.

Pais e filhos, são "a única relação que dá certo mesmo terminando em separação". "A gente traz filhos ao mundo para se separar deles", lembra Rosely.

Tapa não educa, humilha

A psicóloga comentou ainda sobre a função da palmada na educação dos filhos. Questionada por um internauta _que disse agradecer sua educação a palmadas que levou na infância_ Rosely disse que "nós temos a mania de pintar com cores lindas o nosso passado, principalmente aquele que está lá atrás".

"Certamente você deve agradecer a educação, a autoridade que recebeu dos pais, menos os tapas. Tapa não educa, tapa humilha. É autoridade física, quando já não há autoridade moral. Essa intimidação física, além de ser humilhante para a criança e para nós (bater num ser pequeno) tem um efeito efêmero", disse a psicóloga, que lembrou que o uso de tortura durante regimes de ditadura se mostrou ineficaz.

Trabalho de criança é brincar

Em resposta a outra internauta que perguntou se a criança que brinca muito se desenvolve melhor, Rosely Sayão disse que até os 6 anos de idade, o "trabalho" da criança é brincar. "É assim que ela pesquisa o mundo, se desenvolve, aprende. Por isso me dá uma certa implicância com as escolas que ficam dizendo para criança "agora é hora disso", "agora é hora daquilo"... Isso não é brincar", afirma.

No bate-papo com os internautas , a psicóloga comentou ainda sobre o relacionamento de um casal, cuja mulher afirma brigarem constantemente por "motivos desnecessários". Segundo Rosely, muitas vezes nós criamos teorias a nosso respeito para explicar um acontecimento _o que só nos afasta de uma solução.

"Tente trabalhar com os fatos. Sente-se com o marido e diga: 'Estamos brigando desnecessariamente. Como vamos resolver isso?'. Um dos grandes desafios dos relacionamentos é ceder. Deixe ele ficar com aquela opinião, já que você gosta dele assim mesmo", disse.

Dica da Rosely