JURA EM PROSA E VERSO

PAIS E FILHOS - RELACIONAMENTO

“PAI, COMEÇA O COMEÇO!” (Desconheço autor)


Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: – “pai, começa o começo!”. O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.


Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.


Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis……


Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.


Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:
“Pai, começa o começo!”
Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso: “Pai, começa o começo!”.


Quão simples seria se pudéssemos começar do começo!!!
O que vimos são pessoas que esquecem de perdoar, esquecem de começar de maneira correta, quando já começaram, vão até o final errados, afinal, admitir seus erros é uma fraqueza.
Quanta bobagem!
Sempre podemos recomeçar. Sempre podemos fazer da maneira certa. Sempre podemos – e devemos – aprender a pedir perdão de maneira sincera e principalmente perdoar a si mesmo.
A única impossibilidade de recomeço – pelo menos nesta vida – é para a morte.
Não importa o seu credo: Aprenda a fazer sempre um começo, recomeço e mais uma vez. Aprenda a perdoar a si e aos outros. Aprenda que ajudar os outros não é obrigação, dever ou necessidade: É simples e unicamente um ato de amor.