JURA EM PROSA E VERSO

PAIS E FILHOS - RELACIONAMENTO

MEU FILHO É GAY

(Lou Micaldas - Do Site www.velhosamigos.com.br, em 21 Mar 07)

UM PAI PERGUNTA:

Sempre desejei ter filho homem para dar continuidade a meu nome e a meus negócios. Mas não posso dizer que meu filho é um varão. Agora que completou 15 anos, percebi que ele está "interessado" em outro garoto. Não agüento esse sofrimento. Achei a senhora muito avançada e aproveito para pedir uma explicação... Por que meu filho é gay? O que foi que eu fiz para merecer este castigo?".

LOU MICALDAS RESPONDE:

RESPOSTA: Meu amigo, não conclua que essa particularidade de seu filho seja um castigo pra você. Mas, antes, tenha a certeza de que já deve ser um castigo pra ele, por se considerar motivo de desgosto para o pai. Você o ama como filho? Preocupa-se com a felicidade dele ou como herdeiro de seu nome e seguidor de seus negócios? Ter um filho homossexual não deve ser encarado como um castigo. Muitos meninos, quando se iniciam na prática sexual, não conseguem definir com clareza suas naturezas sexuais; estão numa fase experimental e, nem por isto, definitiva e única. Muitas vezes, por timidez ou por falta de oportunidade, procuram um amigo em busca de satisfazer algumas curiosidades sobre suas reações e potencialidades, bem como saciar seus desejos sexuais.

Quando chegar o momento de administrar os negócios da família, se assim o desejar, o homossexualismo não o tornará menos capaz de executar tal tarefa. O sexo das pessoas nada tem a ver com o caráter, nem com a capacidade de trabalho. Caso ele tenha outra vocação, ela também tem que ser respeitada. A vida de seu filho é dele. Nós os colocamos no mundo para que se realizem e busquem a felicidade.

Eles não nos devem a vida porque não a pediram. O que eles fazem, aquilo que escolhem, somente a eles a e a seu futuro diz respeito. Cabe a nós torcer pra que tudo dê certo, dando-lhes amor, compreensão, segurança e orientação em sua empreitada, sem medo de críticas, de rejeição. Não é justo programar um filho para satisfazer seu próprio ego!

Conheço muitos casos de pais que expulsaram seus filhos de casa, por não aceitarem a vida que a natureza reservou pra eles. Puniram seus filhos, negando-lhes o amor. Esses pais foram movidos pela vingança, pela raiva de não verem realizados os sonhos e as metas traçadas arbitrariamente para seus filhos, mesmo antes deles nascerem.

Surpreenderam-se, mais tarde, quando, já idosos, foram socorridos por esses "pervertidos", "bichas", os quais se mostraram competentes em suas profissões e filhos carinhosos e sensíveis. Felizes aqueles que sobrevivem e têm a chance de conhecer os verdadeiros valores de seus filhos. Todos nós temos o outro lado dentro de nós. Assim como as mulheres têm um lado masculino, os homens também têm o seu feminino. Rapazes e homens maduros, mais experientes e desinibidos, confessam que gostariam de ser mulher por uns instantes pra descobrirem o que elas sentem no momento da penetração.

É importante que fique bem entendido e posto a público o que já é fato há milênios nos cafundós das mentes humanas e, principalmente, nas escondidas relações sexuais: o erotismo e as fantasias sexuais, quando não reprimidas, deixam vir à tona as sensações de ser mulher e, ao mesmo tempo, homem. É preciso acabar com o preconceito, com o julgamento e a condenação daqueles que assumiram a homossexualidade.

Ser homossexual não é uma escolha! E a sociedade ainda não tem conhecimento científico pra determinar o que é "normal". Você afirma que lhe oferece "sustento, boa educação e tudo do melhor..." Talvez o que você considera “ melhor” não seja bom pra ele. Aceite seu filho do jeito que ele é. Não se sinta culpado, nem punido. Não se invista de Juiz e não o julgue baseado em seus preconceitos. Não projete nele o seu ideal masculino.

A vida é cheia de milagres e de beleza. Não se prenda a sofrimentos causados por ferrolhos e bitolas que nos impedem de enxergar e viver todas as maravilhas da natureza. Olhe pra ele como ser humano. Observe suas qualidades, sua sensibilidade; descubra o quanto de alegria ele pode lhe dar.

Sugiro que procure um terapeuta para ajudar você a rever seus conceitos e curar suas feridas, causadas pelo preconceito, pela culpas, frustrações e pela “vergonha do que os outros vão pensar...”.

Assim nos ensina Khalil Gibran: "Vossos filhos não são vossos filhos"... "E embora vivam convosco, não vos pertencem."

Lou Micaldas