JURA EM PROSA E VERSO

CONTOS MISTERIOSOS

A visita dos mortos

Meu nome é Pedro, estou com 36 anos(2004); apesar de ter pavor do sobrenatural, sempre fui muito receptivo para este tipo de coisas. Desde pequeno eu via vultos, sentia presenças e coisas do gênero. Fiquei bastante surpreso em descobrir na Internet, em Sites como este, que várias pessoas viveram situações semelhantes e até muito mais assustadoras que as minhas.

A visita dos mortos

Já tive a sensação de estar sendo agarrado várias vezes quando estava na cama à noite (graças a Deus isto parou), mas uma vez tive uma sensação muito mais tenebrosa, que até hoje não sei explicar.

Foi mais ou menos em 1993, eu estava deitado na cama da minha mãe ao lado dela e estava acordado, olhando para o teto; lembro de ter olhado a hora e fechado os olhos.

Nesta época eu costumava ter  insônia e embora deitado junto a minha mãe, estava BEM acordado.

De repente...  meu corpo enrijeceu todo e fiquei paralisado, me sentindo vendado, braços algemados e amordaçado, em um lugar frio, no meio de um matagal.

O mais estranho é que eu sentia toda a situação, embora sem enxergar, do mesmo modo como,  mesmo de olhos fechados, sabemos os lugares de tudo em nosso quarto.

Junto a mim estava um homem morto, já putrefato. Apesar de vendado eu sentia o contato do corpo frio junto a mim e sentia o mau cheiro do cadáver. Sabia que estava junto de um morto.

Eu estava jogado no chão e, no local, além de nós (eu e o morto), pelas vozes, eu distinguia cerca de 6 ou 7 homens   falando entre si, mas eu não pude entender o que falavam.

Repentinamente, cheio de pavor, eu ouvi os cliques de armas sendo engatilhadas e em seguida os tiros. Descarregaram suas armas em mim. Eu sentia meu corpo sendo perfurado pelas balas, me contorcia, mas não podia gritar!!!

Fiquei me contorcendo a cada impacto das balas, às vezes caindo sobre o morto, mas graças a Deus não sentia dor. Só percebia o frenético movimento do meu corpo, reagindo aos impactos.

Quando as armas silenciaram eu ainda pude percebê-los falando algo, mas sem entender o que diziam.

Depois de vários minutos (que pareceram horas), comecei a me mexer muito lentamente e cutuquei chorando a minha mãe.

 Contei o que aconteceu e ela disse que eu sonhei; mas eu estava acordado! Tratei de ficar "colado" nela para que se algo acontecesse novamente, eu pudesse sacudi-la.

Resolvi ficar de olhos abertos e não dormir para que nada mais pudesse me acontecer.

Passados mais ou menos 20 min, senti novamente a mesma sensação, mas desta vez eu estava de olhos abertos, de pé, olhando meu corpo morto e o do meu companheiro, enquanto vários  repórteres  tiravam fotos dos nossos corpos (meu e do meu companheiro morto).

Tornei a voltar a mim, acordei novamente minha mãe e contei-lhe o desfecho da minha visão. Ela consolou-me repetindo que eu tinha novamente sonhado. Mas eu sei que não sonhei. Eu vivi, de fato, aquela inexplicável situação.

Nunca fiquei sabendo quem me visitou aquela noite,  quem era o morto que estava junto a mim, nem quem eram os homens que atiraram enchendo meu corpo de balas, nem os repórteres, acredito que eram todos fantasmas de pessoas falecidas naquele local, mas espero que agora, onde estiverem, estejam em paz.