JURA EM PROSA E VERSO

CONTOS MISTERIOSOS

A Aparição

Um jovem chamado Marlon vivia com os pais numa capital brasileira. Era como todos os outros, gostava das mesmas coisas, musicas, cds, garotas, como os de sua idade.

Uma noite, na rebeldia de sua adolescência, discutiu com seu pai, quase chegando a agredi-lo, só não o fazendo porque fora impedido por um tio que lá estava.

No fervor da sua ira, foi até seu quarto e arrumou a mala, gritando e xingando a todos. A seguir, partiu sem rumo pelas ruas da cidade.

Sua cabeça estava a mil por hora, não raciocinava direito o que faria, para onde iria, mas estava decidido a nunca mais voltar a sua casa. Lembrou-se da casa de sua avó no interior! A casa estava sozinha, fechada, pois só era utilizada nas férias pela família, visto que todos moravam numa outra capital do país. Era para lá que iria! Pegou o trem e foi para a rodoviária...

Chegou de madrugada, após umas seis horas de viagem, cansado e com fome. Somente ele desembarcou.

Não havia viva uma alma na rua àquelas horas. Caminhou pelas ruas próximas da rodoviária, atravessou a praça principal e seguiu para a casa de sua avó. Só ouvia os latidos dos cachorros da vizinhança, excitados com a movimentação.

Chegando lá, entrou pela janela, pois não tinha as chaves da porta e sabia do problema da fechadura da janela da frente. Deitou numa das camas e dormiu até o dia amanhecer...

Acordou mais ou menos ao meio-dia, faminto. Logo, foi procurar almoço na casa de sua tia, do outro lado da rua.

Após os abraços comuns dos encontros com parentes, almoçou, disfarçando na conversa o motivo de sua ida à cidade naquela época do ano.

Voltando à casa, foi ao banheiro escovar os dentes. O banheiro ficava no fim de um corredor, este que dava para a cozinha.

Durante a escovação, como a porta do banheiro estava aberta, notou um riso estridente. Rapidamente, olhou para o fim do corredor e viu um homem, vestido com uma roupa inteira preta, com uma enorme cabeça, todo deformado e com mãos grandes e finas sobre a pia, como se tampasse sua passagem. Olhava para ele e fazia sinal de aprovação com a cabeça.

Teve, como qualquer um teria, um susto tremendo, e sua primeira reação foi fechar a porta do banheiro. Lá dentro, com muito medo e sem poder fugir, começou a rezar tudo o que sabia, embora não fosse freqüentador de igrejas. Nesse tempo, veio em sua mente todas as coisas ruins que fez, que não havia sido um filho bom. Enfim, caíra na real, mas acreditava ser tarde demais...

Essa história poderia terminar aqui, mas a verdade é que ele conseguiu fugir da casa: após um tempo, teve coragem para abrir a porta e nada mais viu.

Teve sua chance de sair correndo da casa e voltar a ser um bom filho...