JURA EM PROSA E VERSO

CONTO ERÓTICO

Vendo tesão - Conto de Amor e sexo

Autoria desconhecida

 

Gisele vende produtos eróticos e se encantou com Léo, marido de uma cliente 

Geralmente, tinham cinco ou seis mulheres ao meu redor enquanto trabalhava. Bastava abrir minha enorme mala para risos nervosos, comentários maliciosos e olhares surpresos aparecerem.

"Gisele, esse negócio aí não machuca mesmo?", perguntou, dia desses, uma morena. Como sempre, ri discretamente ao responder: "Não, Marisa, é feito de um material supersuave. Passe a mão nele e sinta".

Enquanto ela manipulava a peça, as outras olhavam curiosas. "Mas não há risco de quebrar na hora H?", questionou uma senhora. "Não, ele não se rompe. Por favor, Marisa, entorte-o para nossa amiga entender o que estou falando", pedi, apontando o consolo colorido.

Nunca havia pensado em ser revendedora de produtos eróticos. Entrei nessa porque, com a falência da empresa onde trabalhava, perdi o emprego. Sem dinheiro, marido ou família para me sustentar, achei atraente a possibilidade de faturar uma grana com algo, de certa forma, divertido. "Muita gente compra, Gi. Você vai receber um bom dindin", comentou a gerente da loja. Ela tinha razão. Em um mês, eu já ganhava três vezes mais que meu antigo salário.

Vendia de tudo: vibradores, cremes estimulantes, algemas, lubrificantes. Para meu espanto, as mulheres estavam cada vez mais interessadas nessas coisas. As vendas faziam sucesso porque rolavam em encontros de amigas e reservadamente.

Elas gostavam de pegar os acessórios, sentir, cheirar... Algumas até brincavam com eles. "Isso é duas vezes maior do que o do meu marido", diziam, ao ver um vibrador enorme. Aliás, todas pediam para conhecer o modelo, mas ninguém comprava.

Após um ano no ramo, transformei-me na Ruiva dos Brinquedos. Quem ouvia esse apelido imaginava que meu trabalho estava relacionado a artigos infantis. "Ruiva, esse creme lubrifica bem o ânus?", indagou, certa vez, a mulata Dalila. Sem dúvida, ela sonhava em sentir prazer por trás com o parceiro.

Por falar em homens, algo estranho acontecia nas reuniões. Embora fossem para o público feminino, vez ou outra algum marido aparecia de surpresa, com desculpas esfarrapadas. Um em particular, o Leonardo, sempre dava as caras. A esposa fazia o maior escândalo para que nos deixasse em paz. Eu a apoiava, claro. Mas, por dentro, queria muito experimentar os brinquedinhos... com ele!

Sexo casual, quente, quente!