JURA EM PROSA E VERSO

 

 

CONTOS ERÓTICOS

 

 

Luciana provoca seu Senhor, o Jura em Prosa e Verso

 

Há quase três dias Luciana tinha iniciado um contato com um cara que tinha conhecido em um barzinho, que neste conto vamos chamar de Jura em Prosa e Verso, o Senhor.

Iniciaram uma conversa e ao final da noite trocaram números de telefone, para que pudessem irem se conhecendo melhor e vendo afinidades.

Três dias passados, porém, devido ao trabalho, ele estava sempre ausente , viajando muito, e Luciana imaginava que a sua conversa não surtira efeito e que ele  não  a queria. Assim sendo, resolveu lhe mandar uma mensagem:

“Bom dia, Senhor Jura em Prosa e Verso do barzinho, de três dias atrás. Sonhei está noite com o Senhor e acordei pensando:

- “Se fizer comigo metade das coisas do meu sonho, me terá sempre a seus pés.”

Luciana imaginou que não teria resposta, e seu coração quase saltou pela boca, quando recebeu o alerta de mensagem em seu celular:

- “ME CONTE CADELA – Era o Jura em Prosa e Verso, o Senhor, respondendo.”

Sem pensar duas vezes, Luciana iniciou o envio da mensagem, resposta da resposta. Foram precisas várias mensagens pois o assunto era longo e várias situações ela descrevia em minúcias.

 

LUCIANA DESCREVE O SONHO

 

“Tínhamos marcado um encontro, onde estabeleceríamos os termos de nossa relação. Isso me deixou nervosa, por imaginar que o Senhor não fosse me querer. Mas me vesti conforme sua recomendação, na nossa conversa preliminar, no barzinho: De vestido, e sem roupa íntima.

Pontualmente, na hora marcada, o Senhor parou com o carro na porta da minha casa; e ao entrar no carro, beijei sua mão direita e me arrumei no banco do carona, olhando somente para frente, sem encara-lo. Meu coração batia muito forte e um medo de não ser aceita pelo Senhor me deixava ansiosa. Chegamos ao barzinho onde nos conhecemos, sentamos a uma mesa reservada e começamos a conversar. No meu sonho o Senhor me disse que as nossas afinidades eram grandes, e me perguntou se tinha certeza que queria lhe pertencer.

Eu, é claro, no meu sonho, respondi que sim. O Senhor chamou o garçom, pediu que lhe trouxesse a conta, e saímos do barzinho. Quando retornamos ao carro o Senhor me disse:

- IREMOS PARA UM MOTEL AGORA, CADELA.

Eu apenas respondi:

- SIM, MEU SENHOR, SEJA FEITA A SUA VONTADE.

Meu coração continuava acelerado e agora acrescido de um medo que me excitava muito.

Chegamos ao Motel e logo após descer do carro e passar pela recepção, o Senhor me ordenou que ficasse de 4, e o seguisse como uma cadela, para que eu soubesse que seria essa minha posição sempre.

Achei estranho, mas fiquei de quatro, seguindo-o fielmente.

Entrando no quarto percebi que se tratava de um quarto especial, temático, onde havia várias coisas que eu não entendia, mas que pareciam meios auxiliares para o sexo pervertido.

Tão logo o Senhor fechou a porta do quarto, me ordenou que ficasse em pé e sem dizer nada se aproximou de mim e rasgou minha roupa. Soltei um sorriso, e em resposta senti um tapa na cara. Em seguida o Senhor me pegou pelos cabelos e me amarrou de uma maneira que fiquei totalmente exposta para seus desejos e prazeres. Chegou bem perto do meu ouvido e me disse:

- “VAMOS VER SE REALMENTE AGUENTA 24HS SERVINDO AOS PRAZERES DE SEU DONO, COMO UMA PUTA QUE É “.

Pegou sua cinta e me bateu umas lapadas, mas sem muita força; depois pegou um chicote que estava pendurado numa das paredes e continuou a me bater, mas sem marcar meu corpo em lugares onde fosse ficar exposto.

Depois me colocou um plug anal, me fazendo soltar um gemido de prazer, e sem dó, começou a me foder na buceta, batendo em minha bunda, deixando marcas, aí sim, com suas mãos grandes.

Tudo aquilo me deixou tremendamente excitada, e pedindo cada vez mais, e de tanto apanhar gostoso minha excitação estava me levando a um gozo espetacular, com muitos gritos loucos.

Antes do meu gozo, porém, o Senhor me deu um tapa na cara, e me disse:

- “COMO OUSA GOZAR ANTES QUE SEU DONO GOZE SUA CADELA EGOÍSTA?”

Aí comecei a chorar compulsivamente, não pela dor e sim por imaginar que tinha desagradado ao meu Dono.

O Senhor tirou o plug e sem nenhum dó penetrou meu cu, me fez gemer ao sentir uma dor, que foi, aos poucos, se transformando em prazer, e quando o Senhor chegou ao seu orgasmo, me permitiu que assim gozasse junto. Quando terminou me mandou que chupasse seu pau para que o deixasse limpo e suguei com muita vontade tirando até a última gota de porra que ainda existia.

O Senhor percebendo que meu corpo implorava por mais como castigo me colocou numa gaiola e se deitou na cama me ignorando como se eu não estivesse lá.

Acordei só. Senti-me desamparada, sem o Senhor Jura em Prosa e Verso me chamando de cadela, rasgando minha roupa e me chamando de puta. Acordei totalmente molhada e excitada.”

 

 

Após enviar a última SMS com meu sonho Luciana recebeu o retorno do Senhor que dizia:

“PENSA BEM, CADELA POIS ACHO QUE IRÁ SER MINHA VADIA. VOCÊ ESTÁ ME PROVOCANDO. ATÉ PARECE QUE DESEJA QUE SEU SONHO ACONTEÇA, E SE FOR ASSIM VOCÊ É UMA GRANDE CADELA, E DISPONIVEL PUTA.”

Respondi a ele:

“Fico feliz em saber, Senhor, que consigo lhe provocar. Após três dias já estava achando que não estava interessado em mim de nenhuma maneira.”

Ele apenas enviou mais uma resposta:

- Está marcado. Próxima Sexta-Feira, às 22:00, eu a pegarei no nosso barzinho, e você verá o que é bom pra tosse. Você, provavelmente nunca foi castigada. Mas... depois de me provocar desse jeito, receberá minha mais dura resposta, Prepare-se para me conhecer, amar, sofrer, sentir dor e prazer, sua puta cadela.”

Luciana se sentiu satisfeita, pois tinha certeza que despertara o desejo do Jura em Prosa e Verso, o seu Senhor, e finalizou com a seguinte mensagem:

- “O que mais desejo, Senhor, é ser guiada neste mundo por suas mãos onde sei que estarei protegida e cuidada.”