JURA EM PROSA E VERSO

BIOGRAFIAS DE PESSOAS FAMOSAS

Osvaldo Cruz

"O senhor fez o mesmo que Hércules. Matou a hidra. É um benfeitor da humanidade." Com essas palavras o escritor francês Anatole France, durante visita ao Rio de Janeiro em 1906, saudou Osvaldo Cruz, aludindo ao fato de ter o sanitarista brasileiro conseguido erradicar as febres amarela e bubônica e a varíola na então capital federal.

Fundador da medicina experimental no Brasil, Osvaldo Gonçalves Cruz nasceu em São Luís do Paraitinga SP em 5 de agosto de 1872. Com apenas 14 anos de idade ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde doutorou-se em 1892, defendendo a tese Da veiculação microbiana pelas águas. Clinicou no Rio de Janeiro até os primeiros meses de 1896, quando viajou para a França, a fim de aperfeiçoar seus conhecimentos, sobretudo de bacteriologia. Em Paris, trabalhou no Serviço de Vias Urinárias do professor Félix Guyon, no Laboratório de Toxicologia e no Instituto Pasteur, dirigido por Émile Roux.

Depois de um estágio na Alemanha, regressou ao Brasil em 1899. Em outubro do mesmo ano esteve em Santos SP, para estudar a epidemia de peste bubônica que surgiu naquela cidade e sobre a qual escreveu um relatório detalhado. Em 1900 foi um dos criadores do Instituto Soroterápico de Manguinhos, destinado sobretudo à pesquisa e desenvolvimento de vacinas e cuja direção assumiu em 1902. A instituição firmou-se como centro técnico e experimental de grande renome -- seu diretor conseguiu reunir em torno de si uma excelente equipe de jovens pesquisadores -- e em 1908 passou a se chamar Instituto Osvaldo Cruz, nome que conserva até hoje.

Em 1903 Osvaldo Cruz assumiu o cargo de diretor-geral de Saúde Pública, com a difícil tarefa de erradicar a epidemia de febre amarela no Rio de Janeiro, que irrompera no ano anterior. Iniciou rigoroso programa de combate à moléstia, com o isolamento dos doentes, vacinação obrigatória e campanhas para eliminar os focos de mosquito. A campanha sofreu cerrada oposição de parte dos positivistas, de políticos e de vários jornais cariocas, Correio da Manhã à frente. Todos os dias os jornais publicavam editoriais que atacavam Osvaldo Cruz e ridicularizavam em caricaturas a figura do sanitarista com sua brigada de "mata-mosquitos".

Em 14 de novembro de 1904, finalmente eclodiu uma rebelião da Escola Militar com repercussão popular. O movimento, denominado "quebra-lampião", quase depôs o governo de Rodrigues Alves. A revolta foi subjugada pelo comandante da guarnição federal, general Hermes da Fonseca, futuro presidente da república. Osvaldo Cruz não cedeu em nenhum momento e, graças às medidas que tomou, registraram-se apenas 39 casos de febre amarela no Rio de Janeiro em 1906; quatro casos em 1907; e nenhum caso em 1908. As medidas profiláticas acabaram também com as epidemias de peste bubônica e varíola.

Osvaldo Cruz procedeu ainda a uma profunda reforma no código sanitário e ao mesmo tempo remodelou todos os órgãos de saúde, com grandes benefícios para a higiene e a economia do país: na época das epidemias os navios evitavam aportar no Rio de Janeiro. Em 1907, no XIV Congresso Internacional de Higiene e Demografia, realizado em Berlim, expôs vasto material mostrando as atividades do Instituto de Manguinhos e da Saúde Pública, tendo o júri da exposição conferido a medalha de ouro ao Brasil, entre 123 expositores.

Em 19 de agosto de 1909, Osvaldo Cruz deixou a direção da Saúde Pública, por motivo de doença: já se manifestavam os sintomas de hiperazotemia (excesso de uréia no sangue), enfermidade que o mataria menos de dez anos depois. Mas não se resignou ao ócio: no ano seguinte aceitou convite da empresa que construía a estrada de ferro Madeira-Mamoré na região amazônica e fez um estudo do saneamento da região, onde passou um mês. Graças à adoção de seu esquema, a construção da ferrovia pôde prosseguir até a inauguração, em 1o de agosto de 1912. O resultado dessa viagem está contido no trabalho Madeira-Mamoré Railway Company: considerações gerais sobre as condições sanitárias do rio Madeira.

Mais tarde elaborou um plano de saneamento do vale do Amazonas, dando execução a um compromisso que assumira com o Ministério da Agricultura. Saneou a cidade de Belém, de acordo com contrato firmado com o governo do Pará. Posteriormente representou o Brasil em congressos sanitários realizados em Dresden, Alemanha, na Cidade do México e em Montevidéu.

A eleição de Osvaldo Cruz para a Academia Brasileira de Letras, em 1912, enfrentando a candidatura do poeta Emílio de Meneses, provocou grande polêmica naquela casa. Alguns achavam que, devido a sua denominação, a academia somente devia abrigar literatos. Venceu a tese de que vultos consagrados, de qualquer arte ou ciência, podiam ter um lugar na instituição. Em 1913 Osvaldo Cruz passou a ocupar a cadeira deixada vaga pelo poeta Raimundo Correia. De sua bibliografia constam cerca de cinqüenta títulos, entre memórias, teses, pesquisas médicas e relatórios científicos, além do discurso de posse na academia, em que fez o elogio de Raimundo Correia. Seus trabalhos são escritos em estilo simples, límpido e direto, a que não falta um certo encanto artístico.

Em 1916, já muito doente, Osvaldo Cruz foi nomeado prefeito de Petrópolis RJ. Assumiu o cargo em 18 de agosto, mas renunciou em janeiro do ano seguinte e morreu naquela cidade em 11 de fevereiro de 1917.