JURA EM PROSA E VERSO

AMOR - AMOR - AMOR - AMOR

Roleta russa

(Autor desconhecido) (O texto é em Português... de Portugal)

A vida gira como uma roleta russa.

Gira, gira, gira e deixa-me prostrada a teus pés, louca de amor e carências.

Sou eu, fada pequena, baixinha, sorridente, pele infinitamente branca a tocar a tua, morena, quente, suave...

A tua pele, a minha pele, os nossos olhos, castanhos, profundos, imensidões de enigmas para desvendar.

És tu, grande, inabalável, a tua voz a acariciar-me o cabelo e eu perdida, perdida, uma pequena criança sentada a teu colo a implorar-te a vida e o teu sorriso e tudo o que sonhei e não tive.

Porque a vida gira, gira e tudo muda com uma velocidade estonteante e imparável.

Sou tua, deitada no teu colo, os olhos fechados, inebriada com o teu perfume a perguntar-me em que momento crucial o Universo inverteu a sua marcha para me entregar nos teus braços.

 És o muro onde me amparo e deleito. És o pedaço de mim que procurei, incansável, os olhos baços, sem vida e as mãos estendidas, os lábios a repetirem a ladaínha da solidão. O mundo girou e aqui estás tu.

"Amo-te, amo-te...", engulo-te em mim e na minha sofriguidão de sonhar e ter-te, e seres meu e ser tua, e sermos nossos e a vida a girar, a girar imparável.

Roleta russa.

 Eu, caída nos teus braços e a palavra a semear-se entre nós.

Amo-te...

Roleta russa.

Eu, a perguntar-te vezes sem conta sobre ti e os teus caminhos.

Tu sorridente, entregue ao nosso amor.

Tu a quereres dizer-me que era o teu caminho. Eu a querer lutar contra a paixão que se aninhava no calor do café escuro. Os nossos sonhos e sorrisos escondidos no bolo, na torrada, no rissol claro da Sô D. Bela.

Amor... amor... jamais jogarei na roleta russa porque tu és o fim dos meus passos, o início da nova caminhada, és o fim e o princípio de tudo e lá longe, lá não muito longe, os nossos filhos acenam-nos e sorriem-nos e dizem para corrermos para eles, enquanto a vida gira e torna a girar e eu páro sempre junto a ti.